Olá amigos!

Desculpe pelo atraso, mas como diz um amigo meu, antes tarde do que nunca.
Em nossa última newsletter contamos sobre uma trilha bem fácil de se fazer em um final de semana e com rede.
Falaremos neste número de algo tão importante, porém que as pessoas esquecem, tanto quando estão em casa, no sítio ou em uma simples caminhada.

Não podemos prever quando pode ocorrer um acidente. Em casos em que tenha algum médico na região a situação é mais fácil de ser controlada. Porém, independente de haver algum profissional na região ou não, é necessário que nós estejamos preparados para qualquer acidente. Assim, a pessoa acidentada estará preparada para o médico ou socorrista.

O mais importante é tirar a vítima de risco de vida e a principal regra do resgate: se você estiver arriscando a sua vida para salvar outra, não efetue o resgate. Aí serão duas vidas em risco em vez de uma.
Mexa o mínimo possível na vitima, se houver risco de fratura de coluna, o que poderá deixá-la paralítica ou com problemas irreversíveis. Afrouxe as roupas ou mantenha-a aquecida, conforme o caso.

Se ela não estiver respirando, uma atitude rápida do socorrista pode salvar a vida da vítima. Abaixo seguem algumas instruções básicas de Reanimação e Picadas de animais.

O processo adotado pelos bombeiros para analisar o acidentado é chamado de ABC. A para Airway (Vias Aéreas), B para Breathing (Ventilação) e C para Circulation (Circulação).

A – Vias Aéreas
Nesta primeira etapa deve-se verificar as vias aéreas do acidentado, evitando movimentar o máximo possível o pescoço. Retire qualquer objeto sólido de dentro da boca e se houver líquidos, vire a cabeça junto com o corpo para algum lado.
Após isso, deve-se elevar a mandíbula para cima, fazendo com que a pessoa tenha uma facilidade maior de respirar.
B – Ventilação
Verifique se a pessoa respira colocando seu ouvido perto da boca e do nariz ao mesmo tempo em que olha o peito subir e descer. Fique atento se não há nenhuma perfuração no tórax da pessoa.
C – Circulação
Cheque a circulação do acidentado sentindo o pulso por cinco segundos e verifique se existem hemorragias.
Picadas de animais

Em alguns lugares, é normal trombar com alguma cobra, aranha ou escorpião. Porém, é sempre bom estar preparado para agir caso aconteça alguma picada deles.
Segundo o Instituto Butantan, 80% das picadas se concentram da área dos joelhos aos pés e só o fato de usar botas, diminui em quase 100% a chance de você levar uma picada.

Cobras – Medidas a serem tomadas
Após um acidente, pouca coisa deve ser feita até a chegada ao centro médico.
-Tranqüilize a vítima, evitando que a pessoa ande ou corra e mantenha a parte picada elevada em relação ao corpo.
-Afrouxe suas calças, retire pulseiras, etc. e leve-o imediatamente ao serviço de saúde mais próximo.
-Lave, se possível, o local da picada com água e sabão.
-Nunca faça um torniquete pois ele impedirá o veneno de ser diluído no sangue e poderá ocorrer uma gangrena ou necrose.
-Não corte ou fure a pessoa. Alguns venenos dão hemorragia e isso complicará o quadro.
-Não chupe ou tente extrair o veneno colocando pó-de-café, terra ou outras coisas. O veneno entra sempre direto na corrente sanguínea e colocando qualquer coisa pode acarretar em uma infecção.
Aranhas e Escorpiões – Medidas a serem tomadas
Na maioria das vezes, o tratamento voltado para as picadas de Aranhas – Armadeiras e Escorpiões é apenas para minimizar a dor. Podem ocorrer casos fatais mais em crianças e pessoas alérgicas.
-Assim como no caso de acidentes com cobras não chupe, tente extrair o veneno ou faça um torniquete, pois o caso pode piorar mais também.
-Compressas frias ajudam a minimizar a dor. Pomadas não são tão recomendadas pois podem impedir o veneno de ser absorvido pela pele.
-Se possível, capture o animal para facilitar o tratamento mais adequado.

Abraços e até a próxima newsletter,

Christian Fuchs

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *