Olá a todos!

Na newsletter de Abril, falamos do Mínimo Impacto; desta vez vamos dar umas dicas sobre alimentação.

Para o público leigo, acampamento geralmente é sinônimo de passar frio, dormir no chão duro e comer mal, mas não necessariamente em todos os casos! Com a experiência e técnicas é possível passar muito bem no meio do mato, principalmente com o capítulo alimentação.

Além da diversão que é cozinhar ao ar livre, seja no fogareiro ou no fogo, tem o prazer de comer uma comidinha gostosa. Nem só de miojo vive o aventureiro…

Antes de falar no que cozinhar, deve-se prestar muita atenção em como se alimentar. O ideal quando se faz exercícios longos é comer pequenas porções em mais vezes, para garantir um nível de energia estável.

Vamos dar um exemplo, que deve atingir quase todo trabalhador de cidade grande: você já acorda atrasado, toma um café da manhã ultra rápido e sai correndo. (Engoliu tudo e não se alimentou direito…) aí chegando lá pelas 10:30 começa a bater uma fominha, mas já que você vai almoçar as 12:30, não vale a pena comer nada, pra não “estragar” o almoço (o seu nível de energia começa a baixar, começa a dar sono e a sensação de fome aumenta bem…). Aí chega a hora do almoço, o estômago já está nas costas e você enche aquele pratão enorme e engole tudo em 15 minutos (comeu muito mais do que você precisava e fica aquela sensação de jibóia…)

Depois do almoço, sempre tem aquela reuniãozinha básica, que você fica pescando o tempo todo (a energia, que já estava baixa, abaixa mais ainda pra digerir a quantidade de comida ingerida). Lá pelas 16:30h, quando já está dando uma fominha de novo, você resolve esperar o jantar, então por volta das 21:00h, come uma grande quantidade e vai dormir empanturrado. Será que já aconteceu isso com você?

Com 6 anos fazendo corridas de aventura, onde se passa até 5 dias fazendo exercício sem parar, eu aprendi a comer aos poucos e com freqüência. Depois de 2 dias de exercícios, quando começa a te dar sono (energia baixa), qualquer coisa que você ingere, te acorda quase que imediatamente. Comendo sempre, você não fica estufado e mantém o nível de energia estável pro dia todo.

Experimente no seu dia a dia, comer algo quando te dá a primeira fome, as 10h da manhã, coma uma fruta, biscoito ou algo assim. Você vai pro almoço sem fome e come apenas 1/3 do que você comeria normalmente e sente que é suficiente (tente também comer mais devagar). A tarde, lá pelas 16h, faça mais um lanchinho intermediário e a noite uma janta leve, para você não ter “pesadelos de jibóia”… depois conta pra gente o que aconteceu! Faça o teste!

Na próxima news, a gente fala um pouco mais sobre o que cozinhar e comer nas trilhas.

Abraços e até a próxima ,

Christian Fuchs

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *